Síndrome de Kleine-Levin


A Síndrome de Kleine-Levin (SKL) caracteriza-se pela trilogia dos sintomas: hipersônia (diurna e noturna), hiperfagia e hipersexualidade. Ainda podem ser acrescentados à trilogia clássica: irritabilidade e apatia.

A SKL foi descrita pela primeira vez em 1925 e 1929 por Klein e Levin. É uma perturbação crônica (com duração variável, em torno de 8 anos), paroxística (com períodos críticos de "ataques", que persistem por cerca de 10 dias e que recorrem três a quatro vezes por ano) e bastante incapacitante (tanto para as tarefas intelectuais quanto para a vida profissional e social), embora seja "autolimitada" quanto ao tempo de evolução, isto é, terminando, espontaneamente, com ou sem tratamento.

É bastante rara, chegando alguns estudos a mencionarem que até 2004 eram apenas 500 casos registrados em todo mundo. Acredita-se que seja subdiagnosticada.


EPIDEMIOLOGIA

Mais frequente entre homens, ainda que alguns estudos apontem 21% de mulheres acometidas.

Há divergências quanto à idade em que geralmente ocorre o primeiro episódio: alguns trabalhos mencionam primeiro episódio na adolescência como típico, outros o primeiro episódio na segunda década. Dando continuidade aos sintomas na segunda ou terceira décadas de vida.


ETIOLOGIA

Ainda de causa desconhecida. Suspeita-se que seja uma doença auto-imune desencadeada por vírus, vez que a maioria dos casos principia após uma infecção viral (semelhante à influenza, síndrome gripal), com febre mediana e amidalite.


QUADRO CLÍNICO

Durante os episódios

Os episódios podem ser precedidos por uma fase prodrômica que dura de 1 a 3 dias com: mal-estar, cefaléia e letargia.

Os ataques de sonolência surgem e terminam repentinamente e duram de dias a semanas. A pessoa dorme por 18, 20h seguidas. Os intervalos de normalidade entre os ataques podem durar: semanas, meses, até anos.

Outro sintoma é o consumo de grandes quantidade de comida, que pode se dar pela hiperfagia ou pelo binge eating (compulsão alimentar, ficar comendo toda hora). Com marcante predileção por doces e chocolate. A hiperfagia ou o binge eating podem não estar presentes em todos os ataques de hipersonia.

Alguns trabalhos mencionam que a hiperssexualidade somente se apresenta em 1/3 dos pacientes, sendo muito mais frequente em homens. A desinibição social também é marcante.

Além disto, humor eufórico é o mais frequente: com o indivíduo acometido tagarelando, cantando, inquieto, nas horas em que não está dormindo. mas labilidade emocional e depressão também são encontrados.

Podem apresentar ainda idéias delirantes persecutórias e alucinações visuais.

Alguns casos apresentam ainda confusão mental leve.

Após os episódios

Há uma amnésia, pelo menos parcial, envolvendo os fatos ocorridos durante o "ataque".

Quase todos os pacientes são normais entre os episódios, entretanto alguns apresentam alterações do humor (irritabilidade, desânimo, etc) e prejuízos cognitivos como facilidade para esquecer.


DIAGNÓSTICO

É clínico.

Durante o "ataque" a polissonografia pode mostrar uma diminuição do sono de ondas lentas com múltiplos episódios de despertar a partir da fase 2. O Teste de Latência de Sono Múltiplos (MSLT) pode evidenciar um sono REM de início tardio.


DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

Narcolepsia: os "ataques"de sono são muito breves e não costumam durar mais que meia hora.

Apnéia do sono: não são ataques, mas uma sonolência crônica.


TRATAMENTO

O lítio aparece em todos os trabalhos como terapêutica. Outras medicações adjuvantes, especificamente para os ataques, são: modafinil e metilfenidato.


COMPLICAÇÕES

Prejuízos para a vida acadêmica e laboral dos pacientes, dadas as interrupções provocadas pelos "ataques". Além de prejudicar sua vida familiar e social.


PROGNÓSTICO

Com o passar do tempo os episódios tendem a ser mais esparsos e menos intensos. Na maioria dos pacientes os episódios cessam na terceira década de vida.


BIBLIOGRAFIA

LIMA, Dênio and ZAGALO-CARDOSO, José Antônio. Síndrome de Kleine-Levin: caso clínico e dificuldades de diagnóstico. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul [online]. 2007, vol.29, n.3 [cited 2009-11-25], pp. 328-332.

REIMAO, RUBENS and SHIMIZU, MARISA H.. Kleine-levin syndrome: clinical course, polysomnography and multiple sleep latency test. Case report. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 1998, vol.56, n.3B [cited 2009-11-25], pp. 650-654 .

JUSTO, Luís Pereira; CALIL, Helena Maria; PRADO-BOLOGNANI, Sílvia A. and MUSZKAT, Mauro. Kleine-Levin syndrome: interface between neurology and psychiatry. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2007, vol.65, n.1 [cited 2009-11-25], pp. 150-152 .

Síndrome de Kleine-Levin: Revisión y caso clínico.

Manual de psiquiatría médica
. Por David P. Moore,James W. Jefferson, pp 59-60.


6 comentários:

COLETIVO ZONA NORTE disse...

CONHEÇA O NOSSO BLOG GOSTARIAMOS DE CONTAR COM VOCES EM NOSSOS EVENTOS EM SAO PAULO
ENTRE EM CONTATO PELO EMAIL ESTUDANDORARAS@HOTMAIL.COM

jairo lima disse...

Na SKL pode haver sindrome do Pânico?

Glaise Franco disse...

Pode haver sintomas de pânico.

Jairo93 disse...

Como pode ser feito um correto diagnóstico da SKL?
Só com a polissonografia em tempo de crise?

YnA disse...

tenho um caso semelhante com essa sindrime, vivo cansada, com sono,se deixar durmo direto horas chegam a ser umas 15 a 20 hs direto, e mesmo assim vivo cansada, fico muito irritada quando nao durmo bem(muito), nao me concentro bem com facilidade, tenho muita duficuldade em estudar, pois sempre da sono, ja fiz varios exames e nada apontou algum provavel motivo.
gostaria de uma opiniao para tentar solucionar esse problema. aguardo anciosa

Fab disse...

Tenho sintomas muito parecidos com essa doenca, durmo muito e as vezes dias, sou tachada pelas pessoas como preguicosa. Nunca consegui seguir projetos adiantes por isso. Entrei na faculdade de psicologia pra tentar entender o que acontece comigo, e cheguei a conclusao que tenho depressao pq nunca tinha ouvido falar dessa sindrome. Estou tomando fluoxetina e estou muito melhor mas ainda tenho dificuldades quando nao durmo no minimo umas 15 horas por dia. Fiquei muito feliz em saber que isso pode ser uma doenca e pode ser tratada, pois sonho em me tornar uma pessoa com vida normal. Tb gostaria de uma opiniao o que eu poderia fazer pra solucinar esse problema

Postar um comentário

Depois de postar, aguarde até a sua mensagem ficar on-line. Isto não ocorrerá imediatamente. Poderá levar até um dia. Não aceitamos comentários anônimos. Obrigada pela sua colaboração.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.