Síndrome de Guillain-Barré


A Síndrome de Guillain Barré (SGB) é uma doença auto-imune geralmente desencadeada após uma infecção viral ou bacteriana (ainda que também possa ocorrer após vacinação, cirurgia, anestesia epidural, transplante de órgãos e medula óssea, linfomas, sarcoidose e uso de penicilina), que provoca paralisia ascendente (dos pés até a cabeça) progressiva e potencialmente fatal.

Descrita inicialmente por Jean B. O. Landry em 1859, médico francês,  como um distúrbio dos nervos periféricos que paralisava os membros, o pescoço e os músculos respiratórios. Em 1916, os médicos parisienses: Georges Guilliain, Jean Alexander Barre e André Strohl, demonstraram a anormalidade característica do aumento das proteínas com celularidade normal, que ocorria no líquor dos pacientes acometidos pela doença. Eis porque esta síndrome também é chamada de Landry-Guillain-Barré.


  
EPIDEMIOLOGIA
É uma doença cosmopolita de incidência anual entre 0,4 a 4 casos/100.000 habitantes (média de 1,3).Esta síndrome acomete todas as idades; no entanto, alguns estudos epidemiológicos mostram um pequeno pico na adolescência e adulto jovem, provavelmente devido ao maior risco de infecções.

Algumas séries mostram homens mais susceptíveis que as mulheres em torno de 1,25: 1.
Desde que se iniciou a vacinação contra poliomielite a SGB tornou-se a causa mais frequente de paralisia flácida aguda.
CAUSAS
  
A SGB é de provável etiologia auto-imune que pode ser desencadeada após 15 a 21 dias, em média, de uma infecção do trato gastro-intestinal ou trato respiratório.
Após o processo infeccioso o organismo produz anticorpos que agridem as bainhas de mielina de nervos perífericos e raízes nervosas. A mielina é a estrutura responsável por proteger (como uma capa) e permitir a transmissão do sinal nervoso ao longo de todo o trajeto do nervo.
Isto provoca fraqueza (paralisia flácida) e insensibilidade, que caracteristicamente progride de baixo para cima, em direção à cabeça, ascendente.
O agente mais comum encontrado como causador é o Campylobacter jejuni, que provoca infecção gastro-intestinal. Há também relatos de casos com Citomegalovirus, Epstein Barr vírus, Micoplasma pneumoneae.

Esta síndrome também é reconhecida como uma das complicações pela infecção pelo HIV, e também há relato de casos em decorrência de vacinação, cirurgia, anestesia epidural, transplante de órgãos e medula óssea, linfomas, sarcoidose e penicilina. Parece que a gravidez e uso de anticoncepcional oral conferem algum grau de proteção.
 
QUADRO CLÍNICO
Primeiramente é preciso esclarecer que a SGB não tratada leva rapidamente à morte, portanto, a constitui uma emergência médica, inclusive com indicação de tratamento em Unidade de Terapia Intensiva - UTI.
  • Doença de instalação hiperaguda - horas ou dias.
  • Sintomas mais frequentes: formigamentos e agulhadas nos pés; dores surdas nas costas; fraqueza muscular. 
  • Inicia-se com dores lombares associadas a desestesias nas extremidades inferiores.
  • Com a profressão os membros inferiores ficam paréticos ou plégicos.
  • Ocorre paraparesia motora e sensitiva (paralisia incompleta), paraplegia flácida, e arreflexia.
  • Os reflexos tendinosos são perdidos precocemente, mesmo nas regiões onde a força muscular está preservada.
  • O quadro progride de modo ascendente: dos pés para cabeça.
  • 50% dos casos pode acometer a face e função bulbar: disparesia parcial periférica, disfagia, disartria.
  • 30% dos casos: paralisia da musculatura respiratória.
Exame Físico:
  • Paresia ou plegia
  • Arreflexia
  • flacidez simétrica
  • Sensibilidade térmica e dolorosa preservadas
  • Sensibilidade vibratória e proprioceptiva comprometidas.
  • Em pacientes graves: insuficiência ventilatória, disautonomias (arritmias cardíacas, sudorese, picos hipertensivos).


DIAGNÓSTICO
A SGB deve ser suspeitada em todos os pacientes com fraqueza motora ou déficit sensitivo não explicado afetando os membros. Os achados típicos no exame neurológico incluem fraqueza progressiva e ascendente e arreflexia tendinosa. É fundamental a pesquisa de infecções prévias.É imperativa a coleta do líquido cefalorraquidiano, que freqüentemente mostra dissociação albumino-citológica, ou seja, contagem celular normal com hiperproteinorraquia. Nos casos de pacientes com síndrome de imunodeficiência conseqüente ao HIV pode haver celularidade liquórica em torno de 10 a 50 células/ml.

Critérios para diagnóstico de SGB
1 -  Achados necessários ao diagnóstico
  • Diminuição de força progressiva em mais de um membro.
  • Arreflexia tendinosa.
2 - Achados que reforçam o diagnóstico

a) Achados Clínicos
  • Progressão.
  • Simetria Relativa.
  • Sinais e Sintomas discretos.
  • Comprometimento de nervos cranianos: paralisia facial ocorre em 50% dos casos e freqüentemente são bilaterais.Pode acometer nervos responsáveis pela deglutição.
  • Recuperação: começa geralmente de 2 a 4 semanas após parada da progressão.
  • Disfunção Autonômica: taquicardia, hipotensão ortostática, sinais vasomotores.
  • Ausência de febre no início dos sintomas.
b) Achados no líquido cefalorraquiano que dão forte apoio ao diagnóstico:
  • Hiperproteinorraquia.
  • Celularidade liquórica normal ou alta no máximo de 10 células mononucleares.
c) Achados que causam dúvidas quanto ao diagnóstico:
  • Assimetria persistente e marcante da fraqueza.
  • Disfunção vesical ou intestinal persistente.
  • Mais de 50 células mononucleares no líquor.
  • Presença de leucócitos polimorfonucleares no LCR.
  • Nível sensitivo bem definido.
d) Achados que eliminam o diagnóstico:
  • História de abusos de hexacarbonos.
  • Metabolismo anormal das porfirias.
  • Diagnóstico recente de difteria.
  • Intoxicação pelo chumbo com neuropatia.
  • Diagnóstico definido de poliomielite, botulismo, paralisia ou neuropatia tóxica.


SUBTIPOS CLÍNICOS DA SGB

Após o advento da eletroneuromiografia foi possível reconhecer e classificar 4 subtipos da SGB.É notório que a variante Miller-Fischer é um subtipo bem caracterizado clinicamente.
Polineuropatia desmielinizante inflamatória aguda (PIDA)
É a mais comum forma da SGB tendo uma incidência de 85 a 90% dos casos.Esta é considerada uma desordem auto-imune desencadeada por uma infecção prévia, geralmente por citomegalovirus e Epstein-Barr vírus.Na PIDA freqüentemente há comprometimento dos nervos cranianos, nervos sensitivos e há comprometimento autonômico.A recuperação é geralmente boa e a eletroneuromiografia mostra diminuição da velocidade de condução diminuída em 2 ou mais nervos motores.
Neuropatia axonal motora aguda (NAMA) 
É outra forma da SGB, com incidência maior no Japão e China, geralmente devido infecção prévia pelo Campylobacter jejuni. O quadro clínico é semelhante a PIDA, porém raramente há comprometimento de nervos cranianos, nervos sensitivos, e raro comprometimento autonômico.A recuperação pode ser lenta ou rápida. A Eletroneuromiografia mostra degeneração axonal motora pura, com redução da amplitude dos potenciais de ação do nervo, sem desmielinização.A NAMA é freqüentemente associada a anticorpo anti-gangliosídeos (GM1, GM1b, GD1, Ga1NAc-GD1a).
Neuropatia axonal sensitivo-motora aguda (NASMA)
Tem baixa incidência, em torno de 10%, com comprometimento motor e sensitivo, detectado na eletroneuromiografia.
Síndrome de Miller-Fischer
É uma variante da SGB, caracterizada pela tríade arreflexia, ataxia e oftalmoplegia. Esta desordem é muita associada a anticorpos anti-gangliosídeo GQ1b.O diagnóstico dessa variante é eminentemente clínico e tem bom prognóstico.
TRATAMENTO
A pessoa acometida pela síndrome deve ser internada em UTI devido ao risco de arritmias e insuficiência respiratória.
O tratamento deve ser tanto de suporte como também específico.

TRATAMENTO DE SUPORTE
As principais complicações da SGB são a insuficiência respiratória e hipotensão. Cerca de 25 a 33% dos pacientes evoluem com insuficiência respiratória devida à falência diafragmática e necessitam de entubação orotraqueal e ventilação mecânica; porém este número pode diminuir com a instituição de medicação específica correta.A capacidade vital é o melhor parâmetro para indicação da entubação orotraqueal, quando esta estiver menor de 15mL/kg.

Outra complicação é a hipotensão postural que acomete 10% dos pacientes com SGB, devido à disautonomia, sendo tratado com infusão intravenosa de solução cristalóide e por agentes vasopressores.
  
TRATAMENTO ESPECÍFICO
Sabe-se, que a plasmaférese e a imunoglobulina (imoglobulina IV) são os tratamentos de escolha para SGB. No entanto, é imperativa a prescrição do tratamento até 2 semanas após o seu início, pois após não há efeito algum.

A droga de primeira escolha é a imunoglobulina 0,4g/kg por 5 dias, pois é menos invasiva que a plasmaférese e tem menos efeitos colaterais. A plasmaférese é feita com troca de plasma na fração de 50ml/kg de peso em 5 sessões separadas por 7-14 dias. A combinação da imunoglobulina e pasmaférese não trouxe vantagem significante.

O corticosteróide seja oral ou em pulsoterapia não é indicado, porém a associação com imunoglobulina pode ser promissor.

O futuro do tratamento está voltado para o beta-interferon, entretanto não há resultados suficientes que justifique o seu uso.


 
PROGNÓSTICO

O espectro clínico da síndrome de Guillain-Barré é muito amplo, isto é, varia desde a morte até a recuperação total.
A melhora clínica, eletrofisiológica e funcional acontece, geralmente, até 18 meses após o início da doença. A maioria das pessoas acometidas se recuperam em três meses após iniciados os sintomas. Portanto, as paralisias provocadas pela doença são reversíveis.
A necessidade de ventilação mecânica e a ausência de melhora funcional três semanas após a doença ter atingido o pico máximo são sinais de evolução mais grave.


BIBLIOGRAFIA
  1. Síndrome de Guillain-Barré. Universidade Federal Fluminense.
  2. Síndrome de Guillain-Barré. Medcenter.
  3. Síndrome de Guillain-Barré. Lookfordiagnosis
  4. Síndrome de Guillain-Barré. Wikipédia.
  5. GRZESIUK, ANDERSON KUNTZ and SANTOS, LUIZ AUGUSTO DOS. Síndrome de Guillain-Barré associada a pancreatite aguda: relato de caso. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 1999, vol.57, n.3B [cited 2009-08-30], pp. 873-875. 

48 comentários:

wania disse...

Foi satisfatoria minha pesquisa , colquei em meu favoritos esse site pois ser
a melhor para pesquisar pois possui varias sindromes, estao de parabens, indicarei o site wania, nursecrayz@hotmail.com

Glaise Franco disse...

Muito obrigada Wania.

Planeta Alegria disse...

gostei, esclarece muito.
Isa

Glaise Franco disse...

Obrigada Planeta Alegria.

joao disse...

Gostaria que alguém me pudesse esclarecer se o Síndrome de Guillain-Barré, poderá acontecer nos animais. Passo a explicar, o meu cão morreu à dias, por causa desconhecida, em que o veterinário pôe várias hipóteses, e sendo a mais provável doença semelhante a síndrome de Guillain-Barré dos humanos.Será possivel? Obrigado por algum esclarecimento dado.

Glaise Franco disse...

Olha João não saberia te dizer, mas irei encaminhar a sua dúvida a uns amigos veterinários a sua dúvida e aguardar pra ver se eles podem nos ajudar.
Um abraço e obrigada pela visita.

João disse...

Ok, Glaise, obrigado pela sua atenção.

Glaise Franco disse...

Respondendo ao João em especial:

"A síndrome Guillian-Barré, ou (polineurite idiopática aguda, Polineurite pós-infecciosa e paralisia de Landry ) pode ocorrer em animais, cães e cavalos, porém é de origem idiopatica. Acredita-se que esteja relacionada com um mecanismo auto-imune. A polirradiculite idiópatica(paralisia do Coonhound) em cães e a neurite da cauda equina em cavalos são semelhantes."
Por Dr. AERTON SANTOS. Médico Veterinário - proprietário da VETERINÁRIA CITY DOG, em Aracaju-SE.

Obrigada Dr. Aerton por solucionar nossa dúvida.

Glaise Franco disse...

Respondendo ao João em especial:

"A síndrome Guillian-Barré, ou (polineurite idiopática aguda, Polineurite pós-infecciosa e paralisia de Landry ) pode ocorrer em animais, cães e cavalos, porém é de origem idiopatica. Acredita-se que esteja relacionada com um mecanismo auto-imune. A polirradiculite idiópatica(paralisia do Coonhound) em cães e a neurite da cauda equina em cavalos são semelhantes."
Por Dr. AERTON SANTOS. Médico Veterinário - proprietário da VETERINÁRIA CITY DOG, em Aracaju-SE. E-mail: aerton_citydog@ibest.com.br

Obrigada Dr. Aerton por solucionar nossa dúvida.

Sedyell disse...

Bom, vi que vcs saum as pessoas mais indicadas que podem me ajudar agoraa!!! Tow preparando um seminario p faalar da síndrome de Guillian-barret, e preciso de mais informaçoes, se vcs poderem me indicar algum video, seria execelente ou me enviar arquivos detalhados, com dados precisos a nivel d brasil dessa sindrome tbém seria intereessante. Se poderem me ajudar, te antemao agradeço a atençao e colaboraçao de vcs... e preciso dizer que estao de parabéns pelo site, e tow no aguardooo!
Abss...
sedyell@hotmail.com
Acadêmico do 2 período do Centro Universitário do Norte

Glaise Franco disse...

Infelizmente não conheço dados epidemiológicos brasileiros a respeito da SGB.
Mas não será difícil encontrar mais a respeito da SGB no Lilacs ou no Medline.
Obrigada pelos parabéns.
Glaise.

Anônimo disse...

Tenho um amigo q teve SGB, ele ficou no hospital por 40 dias, passou por períodos péssimos, entubado, com sonda. Mas já estava um pouco melhor. Teve alta. Estava começando a se mexer, falando um pouco, mas a alimentação ainda por sonda. Ficou em casa por 5 dias. E, em casa, dia após dia, ele foi enfraquecendo (principalmente respiração). No 5 dia, ele faleceu por parada respiratória. Tiraram a traqueo de uma vez, no dia que ele veio embora.
Acho que pode ter tido negligência médica, pois a pior parte ele já tinha passado, e se tivesse ficado mais um tempo no hospital acho que poderia ter melhorado. O que vc acha desse caso? E a família nunca procurou o hospital, ou seja, a morte dele não aparece nos índices. Marcia

Glaise Franco disse...

Cara Márcia,

é sempre muito difícil falar a respeito de um caso quando não se conhece todos os detalhes a respeito dele.

Então não me sinto à vontade para fazê-lo.

Mas, quanto às estatísticas posso dizer que se uma pessoa morre em casa quem dá o laudo é o SVO (Serviço de Verificação de Óbito) o qual deve colocar a causa imediata e a causa de base para provocar a morte da pessoa em seu Atestado de Óbito.

Assim, é possível que, se a causa relamente da morte tiver sido a SGB ela apareça nas estatísticas.

Infelizmente nossa base de dados sobre morbi-mortalidade no Brasil é muito deficiente, tanto na captação dos dados, quanto na tabulação e na provisão de acesso a estes dados.

O investimento em Tecnologia da Informação é baixo e o valor que se dá à própria informação também.

Sinto não poder ajudá-la mais.

Glaise.

Anônimo disse...

Olá, gostaria de saber se a normalidade da análise do líquor cefalorraquidiano, ou seja, se os níveis de proteína deste material se encontram normais exclui a possibilidade do diagnóstico para a Síndrome de Guillian-Barré.
Espero que possa me ajudar, fico no aguardo.
Desde já, obrigada.

Vanessa

BRAVA CONSULTORIA E TREINAMENTO disse...

Desde 2005 estou perdendo força na perna esquerda, sem que possa ter um diagnostico medico a respeito. Já houve até mesmo hipotese de esclerose multipla. Nos ultimos meses minha perna esquerda está cada vez mais impotente. Tenho feito fisioterapia e academia para que não se perca de vez. mas, observando o quadro dessa sindrome, parece que há alguma relaçao. Será? Jairo Brasil

Glaise Franco disse...

Não Jairo. Não parece de modo nenhum guardar relação com Guillain-Barré.

LUIZA HELENA disse...

Meu filho de 21 anos teve Guillian Barre,por milagre ele não teve complicaçoes respiratoria,fez exame de liquor que contatou a sindrome ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva por 2dias e mais 2 dias em quarto comum,teve alta, AGRADEÇO A DEUS porque com certeza foi um milagre pelos comentários anteriores e tambem pelo que li sobre a doença na internet.

Glaise Franco disse...

Obrigada Luiza pela sua contribuição ao comentar sua história familiar.
Realmente a SGB é grave.
Felicidades para você, seu filho e os seus.

eu tive sindrôme de guillhan Barré disse...

Em 26/06/2009,tive a SGB é triste,o que se passa com essa doença. Graças a DEUS não cheguei a UTI,nem atingiu meu respiratório.O diagnóstico foi de imedito,a internação,a medicação tudo isso em 2(dois) DIAS .No primeiro dia de internda comecei a tomar a medicação, foi meio complicado para conseguir,mas JESUS foi e é providêncial...Consegui no primeiro dia.no segundo dia começou a mexer meu dedo foi um MILAGRE que DEUS fez em minha vida. O médico me chama de "milagre"e sou que estou completanto 8 meses e estou VIVA e BEM.Estou ainda com muitas sequelas que deixa,por algum tempo mais vou ficar CURADA de TUDO. Pois o SENHOR JESUS tudo pode.Margarethejesival@hotmail.com campina grande PB

Glaise Franco disse...

Parabéns pela sua recuperação!!! E obrigada pelo seu depoimento. Um abraço e sucesso no seu restabelecimento total.

deise cesar disse...

meu pai esta internado há 09 meses no cti.Ele tem 74 anos.A SGB o deixou tetraplégico.gostaria de saber as possibilidades de recuperação.Ele dependia do respirador 100%.Mas desde o dia 17/02/ ele saiu esta no oxigênio isso é um sinal de recuperção?
ficarei ansiosa aguardando.
deisehelenacesar@hotmail.com

Glaise Franco disse...

Na verdade não entendi: ele ainda está no respirador ou não? caso ele não esteja mais no respirador, isto é, esteja respirando por conta própria é um sinal de melhora sim. Mas quanto a outros sinais, ou mesmo à recuperação de outras funções do seu pai é melhor perguntar aos médicos que o estão acompanhando eles certamente saberão precisar e informar-lhe melhor.

ateliê art'monny disse...

TIVE SGB NO ANO DE 2000 FIQUEI NO RESPIRADOR,EM TUBADA,FIZ HEMOGLOBINA HUMANA FIQUEI 1 MÊS 10 DIAS NA UTI SAÍ DO HOSPITAL APÓS 2 MESES E MEIO FIZ FISIOTERAPIA MAS ATÉ HOJE TENHO SEQUELA MEUS PÉS ESTÃO SEMPRE DORMENTE E AS PERNAS SEMPRE COM MUITO CANSAÇO E SEMPRE NA PARTE INFERIOR QUE SINTO MUITA DOR E CANSAÇO A RECUPERAÇÃO FOI COMPLETA SIM,HOJE ME MOVIMENTO E TUDO QUE NA ÉPOCA NÃO CONSEGUIA MOVIMENTAR DEDOS DOS PÉS,MÃOS,BRAÇOS,HOJE CONSIGO MAS TENHO VIVIDO COM ESSAS CONSTANTES DORES.ISSO É COMUM DA SEQUELA?MEU MÉDICO ME AVISOU QUE A RECUPERAÇÃO SERIA COMPLETA MAS HAVIA CHANCE DE EU FICAR COM SEQUELAS ME RECEITOU AMITRIPITILINA PARA TOMAR SEMPRE.SIMONE monny.msn@hotmail.com

Glaise Franco disse...

Cara Simone,

Em 80% dos casos o paciente se recupera totalmente, ou as sequelas são mínimas e não interferem na qualidade de vida. 5% não voltam a andar e outros 5% falecem.

Quanto à redução de seqüelas físicas recomenda-se fisioterapia: para ampliar novamente a capacidade de movimento e diminuir a esta sua sensãoção de cansaço, a que chamamos de Fraqueza Muscular e estimular os nervos atingidos também.

Infelizmente a dor é outro sintoma da neuropatia provocada por esta síndrome, mas também é um sintoma que se beneficia com a atividade física e fisioterapia. Além da amitriptilina, mencioanada por você, há outros medicamantos que elevam o limiar de dor. Converse com seu médico e faça com ele uma parceria para vencerem juntos esta luta.

Anônimo disse...

Chamo-me carla vivo no estoril em Portugal.
tenho um irmão que esteve em angola e começou por ter qualquer coisa que lá não lhe souberam explicar o que seria, quando regressou foi internado por 1 semana onde fez muitos exames. Recentemente disseram-lhe que tem esta doença,receitaram-lhe medicação da qual ele não sente melhoras e vai começar a fazer fisioterapia esta terça feira que vem.Ele não chegou a ter problemas respiratorios mas não sente força nas pernas e nos braços e anda ainda de muletas.gostaria de saber se esta doença tem cura e quais são realmente os tratamentos que resultam.disseram-lhe tambem que esta doença é ereditaria mas na nossa familia não houve nunhum caso.pode dar-me uma ajuda?estamos a ficar muito alarmados pois soubemos que esta doença vai piorando com o tempo ,é assim ou não? obrigada cumprimentos .Carla Ferreira.

Glaise Franco disse...

Olá Carla!

Primeiramente gostaria de sugerir a todos vocês tranquilidade. A fase em que a SGB evolui progressivamente com piora é logo nos primeiros dias/horas do seu surgimento, sendo por isto uma condição médica grave e urgente, motivo para recorrer inclusive a serviços de pronto-socorro para seu diagnóstico e tratamento. Passada esta fase a SGB não representa risco iminente de morte.

Os sintomas a que você se refere: como diminuição da força muscular (em braços e pernas), são sequelas possíveis da SGB e não significam de nenhum modo que sejam irreversíveis, mas requerem estimulação fisioterápica vigorosa, a qual também ajudará a evitar ou combater outros possíveis sintomas que alguns podem apresentar: dores, formigamentos, sensações de queimação, etc.

A SGB nada tem de hereditária, sugiro ler logo acima no item CAUSAS para saber mais.

Desejo muita tranquilidade a vocês e perseverança a seu irmão que iniciará trabalho de reabilitação, o qual pode ser muito bem sucedido.

Espero ter sido útil.

Anônimo disse...

Olá Dra. me chamo Thiago, hoje após 11 dias que meu primo ficou mal, os médicos constataram que ele está com Síndrome Neuroléptica Maligna, pelo que li no site, e atrevéz de minha observação leiga, creio que ele não sofre do estágio mais grave, então agora com o inicio do tratamento, gostaria de saber qual é o tempo estimado para começar a observar melhoras? e também se há a possibilidade de haver sequelas?ou se ainda há mais algum risco grave?

Obrigado desde já.
Thiago.

Glaise Franco disse...

Boa Noite Thiago!

Só não entendi porque você está comentando Síndrome Neuroléptica Maligna em SGB!!!

Bem... responderei em SNM.

Nuno disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Glaise Franco disse...

Caro Nuno Costa,

Você está vendo seu "post" acima? Deve ser por ter feito um comentário anônimo e, apesar dos avisos e, mesmo assim, termos tolerado comentários anônimos por um grande período não mais os aceitaremos, como aliás informa o aviso de postagem.

Rosy Helena disse...

Olá tenho uma amiga q o filho dela q tem creio seis a sete anos foi detectada a síndrome Barre por bactéria,sendo q os médicos disseram haver a possibilidade de ter adquirido esta bactéria através do talco para cachorro,gostaria de saber se realmente há esta possibilidade,ele graças a Deus já está se recupreando e logo sairá do hospital.Mas será q realmente pode haver essa possibilidade? Desde já agradeço a atenção.Rosy

Nuno disse...

Boa tarde,
A minha sobrinha fez um transplante de medula óssea em Novembro de 2009 devido a ter tido leucemia. Estava em fase de recuperação, no entanto começou com uns problemas e foi-lhe diagnosticado SGB. Foi internada e no próx. dia 20 de Julho vai fazer 2 semanas que está internada. Iniciou com necessidade de ventilação total e agora está com ventilação assistida, há cerca de 3 dias tentaram que ela ficasse a respirar por ela própria, mas passado cerca de 18h, tiberam que a entubar novamente pq ela não aguentou mais, até que agora como disse está com ventilação assistida. Quais são as expectativas de recuperação de uma menina de 15 anos como ela? Os médicos dizem que está tudo dentro da normalidade e ela está a recuperar...
Cumprimentos,
Nuno Costa

Glaise Franco disse...

Boa tarde.

Embora a evolução dos sintomas da SGB seja rápida (surgimento e piora do quadro), infelizmente a recuperação geralmente não é, muitas vezes necessitando de meses.
Somente o tempo dirá o quanto ela poderá se recuperar e de quanto tempo necessitará.
Desejo que vocês possam ter paciência para aguardar diante desta situação e sorte para sua sobrinha durante a recuperação.
Um abraço.

Glaise Franco disse...

Querida Rosy,

Honestamente não sei te responder se é possível encontrar um dos microorganismos que desencadeia a reação auto-imune que gera a SGB no talco pra cachorro. Penso que seria o caso de sugerirmos tal pesquisa ao INMETRO e ANVISA para que ele pudesse avaliar todas as marcas existentes no mercado e sondá-las quanto a esta posibilidade.
Um abraço.

fabio disse...

tive SGB em fevereiro do ano passado ..fiquei internado ..na uti ..fiz o tratamento por imonoglobulina ...e comecei a fazer fisioterapia ...no final do ano ..tive fraqueza novamente nas pernas e me internei novamente para refazer o processo ..só q dessa vez sai de lá bem melhor ...sem dependencia de apoio de pessoas para caminhar ,mas com muita fraqueza ..
Pois bem ..hj graças a Deus me recuperei bastante ..ando quase q normalmente ,,mas sinto muitas dores nos pés e espasmos musculares na regiao das coxas e joelhos ...e queimaçao na canela ...assim queria saber se essas dores passam com o tempo ..e se terei a sensibilidade normalizada tb ...pois só tive agravamento do joelho para baixo ..nao chegando a pegar braços e orgaos respiratorios

Glaise Franco disse...

Olha Fábio a tendência é de que com tempo e reabilitação vc melhore. Apenas não podemos dizer quando ou quanto...
Continue trabalhando confiante na sua recuperação. Um abraço. Glaise.

Alann disse...

oi DR. Glaise me chamo Alann tive essa sindrome, começou dia 3 de outubro dia 8 conseguir internamento fiz o tratamento com imunoglobulina, dia 15 sai do hospital, hj ja ando saiu para quase todos os lugaresn sinto fraqueza sim mais consigo andar normalmente e a cada dia sinto melhoras caminho todos os dias com minha mãe, e levo uma vida normal...se alguem quiser trocar informações alann_maltez@yahoo.com.br
obr pela atenção

Renata disse...

Olá,

Meu nome é Renata, tenho um amigo com 25 anos que está com SGB e está internado a uma semana. A doença dele evoluiu muito rápido e em menos de 48 horas foi internado da UTI do hospital Vital no Engenho Novo (RJ). Começou o tratamento com imunoglobulina 3 dias depois dos primeiros sintomas e já concluiu os 5 dias.

Gostaria da ajuda de todos com relação aos cuidados que devem ser tomados para auxiliá-lo em sua recuperação.

A família já providenciou um colchão pneumático, botas "Salvapé" e órteses bilaterais para as mãos dele. Ele também está utilizando um aparelho estimulador para a musculatura do diafragma.

Atualmente, ele está respirando com auxílio de ventilação mecânica e não têm previsão de alta.

Existe alguma possibilidade da imunoglobulina não fazer efeito?

Em caso positivo, existe algum tratamento alternativo além da plasmaférese?

Pessoal, eu aceito qualquer ajuda ou opnião médica.

Obrigada!

Glaise Franco disse...

Renata,

inicialmente desculpe-nos pelo delay na resposta, mas o fato é que pelo que os estudos mostram tudo é possível na SGB, principalmente a recuperação.
Se você ler os comentários anteriores poder atestar isto, boa sorte!

Atellie Art Monny e Cia disse...

OLÁ!!

ACABEI DE RETORNAR DO MEU MÉDICO(NEURO),COMO MENCIONEI EM ABRIL/10(COMENTÁRIO ACIMA).TIVE SGB NO ANO DE 2000 E HJ ACABEI DE RECEBER UM RESULTADO POIS OS MÉDICOS ESTAVAM INVESTIGANDO SE SGB ESTARIA RETORNANDO.MAS FELIZMENTE ELA NÃO ESTÁ E MINHA DOUTORA ME DISSE QUE HÁ DOIS TIPOS DE (SGB) SÍNDROME A CRÔNICA E A QUE DEIXA SEQUELAS.EM NOVEMBRO/10 FOI FEITO DIVERSOS EXAMES EM MIM O ELETRO E OUTROS DIGNOSTICARAM SEQUELAS E QUE TENHO MENOS FORÇAS NO MEU LADO ESQUERDO E TBM MUITA SENSIBILIDADE NO ROSTO ISSO EU NEM SABIA!!ISSO QUE JÁ FAZ 10 ANOS QUE TIVE SGB.IREI CONTINUAR TOMANDO O AMITRIPITLINA 25mg PQ O CARBAMAZEPINA EU TIVE UMA REAÇÃO MUITO FORTE COM ELE MUITA VERTÍGEM E ATÉ VOMITEI SANGUE E PRA MIM NÃO DEU;APESAR DE AS DORES E DORMENCIAS NAS PERNAS E PÉS TEREM PASSADO COM ESSA MEDICAÇÃO.BOM GOSTARIA DE SABER MAIS SOBRE SGB CRÔNICA POIS EU NÃO SABIA QUE ELA PODERIA FICAR TIPO INCUBADA POR ALGUM TEMPO E REAPARECER PQ ACONTECE ISSO?E OBRIGADA PELA AJUDA E INFORMAÇÕES POIS SÓ QUEM TEVE E TEM SEQUELAS QUE SABE COMO ESSA INFORMAÇÕES SÃO IMPORTANTÍSSIMAS monny.msn@hotmail.com SIMONE Porto Alegre/RS

Pensar é Viver disse...

Olá Meu nome é Marcos
Eu tbm tive Guillian Barre por duas vezes e em ambas cheguei ao fundo do poço, paralisia total do corpo mas com a ajuda de Deus hoje não tenho sequela aparente.
Que Deus continue iluminando seu caminho.
Segue Meu Blog para contato:
http://marckamorim.blogspot.com/

sil disse...

Boa Noite..Silvana Cuiaba- MT
Tenho uma amiga que esta com essa SGB ela se encontra na UTI ..seus familiares estão desesperado ,por que o caso dela não tem nenhum tipo de alteração ..as pulilas dela estão dilatadas e a pressão arterial esta instavel.E o medico ja passou que ela tem apenas 1% de chance de sobreviver isso pode acontecer??

Glaise Franco disse...

Boa noite Silvana,

Pode ocorrer sim.

Raquel Fernanda disse...

Meu amigo acabe de falecer devido essa sindrome, muito triste, ele deixou esposa e uma filha com 7 meses

http://olhardemamae.blogspot.com/2011/05/luto-grande-perda.html

elianne disse...

Prezados, vi esse blog pesquisando sobre a SGB. Estou com o pai de um amigo internado há 2 semanas com SGB após receber a vacina contra a gripe... lembrei de uma aula de virologia, de qdo ainda era aluna do curso de veterinária, sobre acidentes pós-vacinais em cães após vacinação antirábica, cujo quadro clínico evoluia conforme a SGB, iniciando com paralisia do posterior e risco de morte. Vcs que tiveram casos de conhecidos, sabem responder se havia histórico de vacinação?

Ketty disse...

Boa noite, Dra. Glaise. Estou pesquisando sobre a SGB e preciso diferenciá-la dos casos de M.A.V. e gostaria de saber: a) há relatos de casos com sequelas irreversíveis? b) quais os exames indicados para o diagnóstico? c) no caso de aspecto hemorrágico do liquor, além do nível de proteínas, quais outras doenças poderiam ser pesquisadas?
Caso tenha alguma bibliografia que possa me indicar, agradeço muito.

Silvio disse...

Olá Dra. Glaise.
Tive SGB em 1967, aos 5 anos. No meu caso foi reação a vacina anti-rábica da época. Hoje sei que esta vacina foi modificada devido a alta incidencia destes casos.
Não tive insuficiência respiratória e fiquei no hospital por 30 dias. Depois disso foram 15 anos das mais variadas fisioterapias, incluindo exercícios, forno e eletrochoques para estimulação. Não sei qual foi meu tratamento na época. Tenho como sequela atual deficit severo do músculo tibial anterior das duas pernas o que me faz andar com alguma dificuldade pois não levanto a ponta dos pés. Felizmente não sofro com dores.
Pergunto:
1- Hoje, com 50 anos, tenho perda de audição principalmente no ouvido direito, de causa desconhecida. Pode tem relação com a SGB?
2- Este deficit muscular localizado, com perda de mais de 90% de força muscular, poderia ser beneficiado com celulas tronco?
Agradeço sua atenção.

Glaise Franco disse...

1. quanto a sua perda auditiva sugiro recorrer a um Otorrinolaringologista com seu histórico médico e familiar que poderá avaliar seu caso.
2. a maior parte dos tratamentos com células-tronco ainda é experimental, sugiro recorrer a um ambulatório de neurologia de uma Universidade próxima a você, com seu histórico médico para que possam avaliar esta possibilidade juntamente contigo.

Postar um comentário

Depois de postar, aguarde até a sua mensagem ficar on-line. Isto não ocorrerá imediatamente. Poderá levar até um dia. Não aceitamos comentários anônimos. Obrigada pela sua colaboração.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.