Síndrome Anticolinérgica


Conceito

É a síndrome resultante do antagonismo da acetilcolina no receptores muscarínicos.
Apresenta componentes centrais e periféricos.


Causas Tóxicas
  • Antihistamínicos: especialmente prometazina, Trimeprazina, Dimenidrinato.
  • Drogas antiparkinsonianas (Benzatropina, Biperideno, Orfenadrina, Prociclidina)
  • Agentes antiespasmódicos (Clidinium, Glicopirrolato, Propantelina)
  • Alcalóides da Belladonna (extrato de Belladonna, Atropina, Hioscina, Sulfato L-Hiosciamina, Brometo de escopolamina)
  • Antidepressivos Cíclicos
  • Cicloplégicos oftalmológicos (Ciclopentolato, Homatropina, Tropicamida)
  • Fenotiazínicos
  • Plantas contendo alcalóides anticolinérgicos (Atropa belladonna, Brugmansia spp, Cestrum spp, Datura spp, Hyoscyamus niger, Solanum spp). Os derivados tropânicos (alcalóides de plantas solanaceas e drogas relacionadas) são de maior importância prática.


Manifestações clínicas

Baseia-se no aparecimentos dos sinais da síndrome tóxica anticolinérgica. São eles:

A) Centrais: alteração da consciência, desorientação, discurso incoerente, delírio, alucinações, agitação, comportamento violento, sonolência, coma, depressão respiratória central e raramente convulsões.

B) Periféricas: hipertermia, midríase, membranas e mucosas secas, pele vermelha, quente e seca, vasodilatação periférica, taquicardia, diminuição da motilidade intestinal (às vezes íleo paralítico) e retenção urinária (pior em pessoas com hiperplasia prostática).
Outras manifestações: rabdomiólise, choque cardiogênico e para cardiorespiratória (excepcional). Pessoas com glaucoma sofrem agravamento desta doença.


Diagnóstico Diferencial
  • Abstinência ao álcool
  • Delírio orgânico (usualmente secundário a sepsis)
  • Doenças psiquiátricas
  • Drogas psicodélicas
  • Agentes simpatomiméticos

Tratamento

O tratamento é primariamente de suporte. O paciente deve ser protegido de lesões auto-provocadas. Para isto, pode ser necessário restrição física ou farmacológica. Entubação e respiração controlada podem ser necessárias na insuficiência respiratória. Nos casos de ingestão, a descontaminação gastrintestinal deve ser considerada.

DIAZEPAM: Administrar 5 a 10 mg endovenoso em 1 a 3 minutos.
Repetir a mesma dose se necessário até a dose máxima total de 30 mg. A dose pediátrica de diazepam é 0.25 a 0.4 mg/kg até a dose total máxima de 5 mg em crianças até 5 anos e 10mg em crianças acima de 5 anos de idade.

FISOSTIGMINA: é o antídoto específico para intoxicações por
anticolinérgicos e deve ser utilizado nas seguintes situações:
1. Agitação grave ou comportamento psicótico não responsivo a outros tratamentos.
2. Evidência clínica de síndrome anticolinérgica central e periférica.
3. Ausência de história de convulsões.
4. ECG normal, especialmente intervalo QRS.
5. Ausência de história de ingestão ou co-ingestao de antidepressivos tricíclicos ou outros fármacos que retardam a condução intraventricular.
6. Disponibilidade para monitorização cardio-respiratória e equipamento para ressuscitação no local.

A dose de FISOSTIGMINA é de 1 a 2 mg (0.5 mg em crianças) por via endovenosa em 2 a 5 minutos. Esta dose pode ser repetida após 40 minutos.


Evolução clínica e Monitorização

A recuperação completa é esperada em um período de horas a dias. Em casos de síndrome anticolinérgica mais grave, o ritmo cardíaco e a pressão arterial devem ser monitorizados freqüentemente. O débito urinário também deve ser monitorizado para detectar possível retenção urinária.



Referências Bibliográficas

IPCSIntox

Pediatria/Criança. Intoxicações Exógenas Agudas.
Psicofarmacologia de antidepressivos.
Perfil das intoxicações por medicamentos utilizados no tratamento das rinites na Cidade de São Paulo
Psiquiatria para Estudantes de Medicina.
Como é a Síndrome Anticolinérgica Aguda?

2 comentários:

Anônimo disse...

Tive uma síndrome anticolinérgica, mas não consegui detectar a causa. As únicas substâncias que usei antes de passar mal foram um comprinido de cloridrato de ranitidina, que depois vi que estava vencido há um ano e usei pó de castanha da índia. Algum desses dois medicamentos pode ter provocado a síndrome?

Glaise Franco disse...

Destas substâncias não conheço informação de Síndrome Anticolinérgica, agora medicações fora de validade podem ter seus princípios ativos adulterados, isto se a embalagem ainda estava preservada, caso contrário pode até haver contaminação bacteriana e ainda mais produção de substâncias diversas da que você acredita que estaria tomando...

Postar um comentário

Depois de postar, aguarde até a sua mensagem ficar on-line. Isto não ocorrerá imediatamente. Poderá levar até um dia. Não aceitamos comentários anônimos. Obrigada pela sua colaboração.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.