Síndrome de Cornelia De Lange


A Síndrome de Cornelia De Lange (SCDL) caracteriza-se por determinadas características faciais, como sobrancelhas arqueadas e espessas, cílios longos, nariz arrebitado, dentes pequenos e espaçados, microcefalia, déficit de crescimento de início pré-natal e abaixo do percentil 5 durante toda a vida, hirsutismo e defeitos de redução do membro superior, que vão desde alterações sutis dos dedos da mão até oligodactilia. O espectro de apresentação clínica é bastante variado e as característica faciais costumam evoluir e se tornarem mais evidentes conforme o crescimento da criança.

Muitas crianças apresentam atraso no desenvolvimento neuropsicomotor que progride para retardamento mental grave. Ainda, podem haver defeitos do septo cardíaco, disfunção gastrointestinal, perda de audição, miopia e criptorquidia ou hipogenitalismo.

A SCDL pode ser causada por mutações no gene NIPBL (5p13.1), no gene SMC1A (Xp11.22-p11.21) ou no gene SMC3 (10q25), sendo que este último só possui uma descrição publicada até o momento (Deardorff et al, 2007).

O diagnóstico da SCDL é clínico, com base na presença de características craniofaciais, deficiência de crescimento, retardamento mental, anomalias de membros e do hirsutismo. A certeza do diagnóstico pode ser feita com a análise molecular dos genes citados acima, que é oferecida comercialmente por alguns laboratórios.

O acompanhamento clínico da SCDL inclui cuidados paliativos e suportivos das alterações e malformações apresentadas pela criança, pela avaliação da necessidade de fórmulas suplementares e/ou colocação de tubos de gastrostomia para satisfazer as necessidades nutricionais quando há falha de crescimento. Além disso, fisioterapia, terapia ocupacional e da fala auxiliam a otimizar o desenvolvimento dos pacientes. A linguagem de sinais e o aprendizado através de imagens podem facilitar a comunicação. Devido ao grande número de complicações advindas do refluxo gastroesofágico, correção cirúrgica com fundoplicatura pode ser necessária.

A maioria dos casos é esporádica, devido a uma mutação de novo, com um risco de recorrência para a irmandade praticamente nulo. Contudo, alguns autores chegam a citar um risco de recorrência de cerca de 2 a 3%.

Embora haja relatos de consanguinidade entre os casais e observação de uma maior recorrência entre os irmãos, a hipótese de padrão de herança autossômico recessivo tem sido abandonada.


BIBLIOGRAFIA
  1. OMIM

5 comentários:

ESTUDO DE DOENÇAS RARAS disse...

Convite
ALIAÇA BRASILEIRA DE GENÉTICA

Convidamos Entidades,Poder Publico, Estudantes , Profissionais, Formadores de Opinião,Imprensa e publico em geral
Data: 10 de Abril 2010 - 09:00 horas
Viaduto Jacareí, 100 oitavo andar Salão Nobre –Bela vista – SP
Próximo Metro Anhangabaú
Doenças Genéticas
Políticas Públicas, Prevenção e Tratamento.

9:00 Abertura com Autoridades

9:30 Programa Nacional de Triagem Neonatal - PNTN

10:30 Instituto da Criança – ICr HCFMUSP

Intervalo

13:30 Genética no SUS

14:30 Debate: Associações de apoio a pessoas com doenças genéticas,Secretaria Municipal de Saúde,Ministério Público,Academia


Cadastre-se pelo site www.kamia.com.br
Inf. 33965043 c/ Marcos

priscila disse...

gostaria de saber o CID desta sindrome

maria luisa silva da silva kalkmann disse...

TENHO UMA FILHA DE 3 ANOS E ELA TEM ESSA SINDROME, ELA AINDA NÃO FALA CAMINHOU A POUCO TEMPO TEVE MICRO CEFALIA E MUITOS OUTROS SINAIS COMO NA FACE E NA MÃO OS DEDINHOS BEM MENORES, SERA QUE CRIANÇAS COM ESSE PROBLEMA CHEGAM FALAR MESMO QUE POUCAS PALAVRAS???? MEU NOME É MARIA LUISA DA SILVA PORTO ALEGRE RS,

Ro disse...

Sou pedagoga e hj conheci a dra. Patricia(psicoloGa) que tem uma amiga com uma filha com essa sindrome. Elas, juntamente com mais algumas pessoas,entendem que fundar uma ONG seria muito importante para entender essa sindrome, ajudar familias e prover e arrecadar recuros para os menos favorecidos. Precisamos de ajuda. Obrigada.

Gisele Oliveira disse...

Ro... vocês podem tentar contato com o Instituto Baresi, que auxilia, com muita experiência, as associações http://institutobaresi.wordpress.com/

Postar um comentário

Depois de postar, aguarde até a sua mensagem ficar on-line. Isto não ocorrerá imediatamente. Poderá levar até um dia. Não aceitamos comentários anônimos. Obrigada pela sua colaboração.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.